Nomofóbicos

Guarde essa palavra: nomofobia. A expressão (do inglês “no mobile”, sem celular) apareceu pela primeira vez há cerca de dois anos em um estudo britânico sobre hábitos dos usuários de celular. O resultado mais surpreendente da pesquisa, e que acabou dando origem à palavra, foi que 53% dos entrevistados admitiram praticamente surtar quando esqueciam o telefone em casa, ficavam sem bateria ou fora da área de cobertura da operadora – mais ou menos como acontecia antigamente quando as pessoas deixavam as chaves ou a carteira em casa.
É uma maluquice mansa, é verdade, como usar a mesma cueca todas as vezes em que o time disputa um campeonato importante ou fazer simpatia para conseguir marido, mas, ao contrário de outras mitologias cotidianas, essa de que o mundo vai acabar se você não estiver conectado 24 horas por dia passa por raciocínio lógico e sensato – e chega a ser muito bem vista em alguns ambientes. Tente convencer um nomofóbico (tenho certeza de que você conhece um) de que ele pode desligar o telefone enquanto janta à luz de velas com a namorada ou durante o velório da avó: seja ele um guri espinhento ou um atarefado executivo, vai contra-argumentar como se fosse o próprio presidente dos Estados Unidos e estivesse aguardando uma ligação que pode impedir o início da Terceira Guerra Mundial. E como ninguém mais usa o telefone apenas para encontrar e ser encontrado (mas para ver as horas, conferir a agenda, mandar torpedos, ler e-mails, abastecer o Twitter, conferir a rota no GPS…), o nível de ansiedade dos nomofóbicos tende, em breve, a alcançar extremos nunca dantes navegados, com consequências que a gente pode apenas imaginar por enquanto.
Os nomofóbicos argumentam, como os tabagistas antes da revolta dos fumantes passivos, que só prejudicam (se é que prejudicam) a eles mesmos. Mas não é bem assim. A primeira consequência cotidiana facilmente verificável é a quebra de alguns protocolos básicos de cordialidade e convivência social. Se você está conversando com alguém – seja a namorada aquela do restaurante, sua avó ainda viva ou seus colegas de trabalho –, esta pessoa merece ser honrada com sua atenção e interesse. Qualquer um que já foi trocado por uma ligação ou um torpedo sabe a cara de banana que a gente fica quando nosso interlocutor não nos concede sequer o benefício de um “com licença” antes de lançar-se ao aparelho como se fosse a última fatia de nega-maluca do aniversário. No telefone, como no trânsito, deveria valer a mesma regra de civilidade: pessoas são mais importantes do que não pessoas. (Falando em trânsito, a apresentadora americana Oprah Winfrey está promovendo em seu programa uma enorme campanha contra o “texting and driving”, o hábito de mandar mensagens ou e-mails enquanto se dirige, uma irresponsabilidade tão grande quanto dirigir bêbado e que está se tornando cada vez mais comum – lá como aqui.)
Para encerrar, confira abaixo uma lista de sinais que podem sugerir que uma pessoa “ligada” já está virando “nomofóbica” :
– Se esquece o celular em casa, volta de onde está para pegá-lo.
– Tem sensação de pânico quando fica sem celular.
– Abandona tudo (tudo mesmo, inclusive aquilo) o que está fazendo para atender o telefone.
– Carrega o celular na mão para atender mais rapidamente.
– Checou o celular pelo menos uma vez enquanto lia esta coluna…

Fonte: Zero Hora
Compartilhe no Google Plus

Sobre Cristiano Nascimento

Cristiano Nascimento é Empreendedor Digital, formado em Processos Gerenciais, Especialista em Gestão Empresarial e Marketing Digital. Sócio da Casa Cheff Alimentos. Participa do site Fotos Facebook e das Fanpages Frases de Camisetas, Chapecoense e Mensagens de Parabéns. Siga e curta no Twitter, Instagram, Facebook, Youtube e Google+.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Comentários :

Postar um comentário

» NÃO faça comentários ofensivos;
» Faça apenas comentários RELATIVOS ao assunto do artigo;
» NÃO faça conversas nos comentários;
» É PROIBIDO usar links desnecessários, para isso comente usando OpenID;
» Os comentários são VERIFICADOS, para garantir que não seja violada as regras acima;